Você está aqui: página inicial » esel » apresentação » história

Breve História da ESEL

A Escola Superior de Enfermagem de Lisboa (ESEL) criada pelo Decreto Lei nº175/2004 de 21 de Julho, resulta da fusão das quatro escolas superiores de enfermagem públicas de Lisboa - Escola Superior de Enfermagem de Artur Ravara; Escola Superior de Enfermagem de Calouste Gulbenkian de Lisboa; Escola Superior de Enfermagem de Francisco Gentil e Escola Superior de Enfermagem de Maria Fernanda Resende. Tem os seus Estatutos aprovados pelo Despacho normativo nº 16/2009 de 7 de Abril (Diário da República, 2.ª Série - Nº 68 - 7 de Abril de 2009). Os primeiros orgãos de gestão - Conselho Directivo, Conselho Pedagógico e Assembleia de Escola - tomaram posse a 24 de Setembro de 2007.
 
A génese deste processo remonta a 2001 com a publicação do Decreto-Lei nº99/2001 de 28 de Março e parte da necessidade de articular sinergias indispensáveis ao desenvolvimento do ensino e da profissão da enfermagem. A decisão de criar uma escola única foi uma decisão livremente assumida, que se consubstanciou na elaboração de um plano comum de desenvolvimento e na implementação de vários projectos conjuntos.

Das quatro prestigiadas instituições que lhe deram origem herda um património ímpar onde alicerça as suas referências:

- A Escola Superior de Enfermagem de Artur Ravara, outrora Escola Profissional de Enfermeiros (1901) e Escola de Enfermagem de Artur Ravara (1930), foi a primeira escola pública de Enfermagem em Portugal. A sua origem remonta ao século XIX, com a criação, em 1886, do primeiro Curso para a formação de enfermeiros no Hospital de S.José. Foi, ao longo de 120 anos, uma referência incontornável na história de enfermagem portuguesa.

- A Escola Superior de Enfermagem Francisco Gentil, foi criada em 1940, designada então por Escola Técnica de Enfermeiras do Instituto Português de Oncologia, sob a égide do Doutor Francisco Gentil, preocupado em assegurar ao país a formação de enfermeiros qualificados, capazes de participar, pela sua competência científica e humana, na melhoria da assistência de saúde. Apadrinhada pela Fundação Rockefeller, a sua tutela pertencia já ao ministério de educação.

- A Escola Superior de Enfermagem de Calouste Gulbenkian, de Lisboa, tem origem em 1957 com a designação de Escola de Enfermagem do Hospital de Santa Maria, criada aquando da abertura do Hospital Escolar de Lisboa, actual Hospital de Santa Maria. Em 1968, a Fundação Calouste Gulbenkian financiou a construção e o equipamento dos edifícios da Escola de Enfermagem de Calouste Gulbenkian, de Lisboa, e da Residência das Alunas, que foi inaugurada em 1972. Foi pioneira no associativismo estudantil em Enfermagem e nos seus 50 anos de existência, vocacionados para uma formação inicial de qualidade, diplomou cerca de 5000 enfermeiros.

- A Escola Superior de Enfermagem Maria Fernanda Resende foi o nome adoptado a partir de 1986 pela então Escola Pós-Básica de Lisboa, em memória da enfermeira Maria Fernanda Resende (1923-1988), cuja acção marcou fortemente o ensino e o desenvolvimento da enfermagem portuguesa. A Escola Pós-Básica de Lisboa entrou em funcionamento em 1984, com o objectivo de rentabilizar recursos de formação pós-graduada dispersos em várias instituições, integrando três núcleos que correspondiam respectivamente ás antigas escolas de Enfermagem Psiquiátrica de Lisboa, de Ensino e Administração de Enfermagem e de Enfermagem de Saúde Pública.

Com a integração do ensino de enfermagem no Ensino Superior Politécnico, em 1989 (Decreto Lei n.º 480/88, de 23 de Dezembro) todas as escolas referidas passaram a ministrar o Curso Superior de Enfermagem, o qual conferia o grau académico de Bacharel, com excepção da ESE Maria Fernanda Resende que ministrava os cursos superiores especializados em enfermagem. Em 1999, foi criado o curso de licenciatura em Enfermagem (Decreto-Lei n.º 353/99, de 3 de Setembro), passando todas as escolas a conferir o grau académico de licenciado e a fazer formação pós-graduada.
Com o decreto-lei n.º 99/2001, de 28 de Março, estas escolas passaram a a ser tuteladas pelo Ministério da Educação e, posteriormente, pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. A partir de 2004 iniciou-se o processo de fusão tendo para tal sido criada uma comissão de acompanhamento que conduziu o processo construção dos estatutos da ESEL e da eleição dos primeiros orgãos de gestão.